domingo, 16 de março de 2014

Lista de Releituras # 06

Lista de Releituras é a nova coluna mensal do Além da Contracapa. Como o nome sugere, são livros que já lemos e temos muita vontade de ler novamente, mas que, por diversas razões, não chegaram a ser resenhados no blog

Título: O Caso dos Dez Negrinhos
Autora: Agatha Christie
Sinopse: “Dez pessoas são convidadas pelo misterioso U.N. Owen para passar alguns dias numa ilha perto de uma aldeia pouco movimentada. Os convidados aceitam o convite e de igual maneira embarcam num barco local para a ilha. Na primeira noite, quando todos já se conheciam razoavelmente bem e conviviam animadamente na sala, ouve-se uma voz vinda das paredes da sala, acusando cada um dos dez presentes de ter cometido um crime, crime esse que apesar de ser despropositado ou inevitável, levou à morte de outras pessoas. O pânico instala-se e mortes inexplicáveis se sucedem, tendo por única pista uma trova infantil.” (Sinopse do Skoob)

Ocasião da primeira leitura: 1999
Ocasião da segunda leitura: 2007

Porque está na lista de releituras (mesmo depois de duas leituras)? Porque é o meu livro favorito desta que é uma das minhas autoras mais queridas.

Comentários: “O Caso dos Dez Negrinhos” é um dos livros mais famosos da Dama do Crime e considerado por muitos o melhor escrito por ela. Eu o li pela primeira vez há 15 anos e ainda consigo me lembrar claramente do desfecho (e imaginem vocês que eu esqueço os detalhes das tramas dos livros que leio em questão de semanas). A verdade é que “O Caso dos Dez Negrinhos” é um livro policial impecável e que conta com todos os elementos que os fãs do gênero gostam: crimes (aparentemente) inexplicáveis, muitos suspeitos e um desfecho surpreendente que consegue amarrar todas as pontas brilhantemente, deixando o leitor com vontade de reler o livro no instante em que finaliza a última página. Eu arriscaria dizer que ele é o modelo do que um livro do gênero deve ser.

Anos depois, reli a história dos dez convidados da misteriosa ilha a pedido do Alê que - por indicação minha, diga-se de passagem - havia lido o livro há poucos dias e precisava conversar com alguém sobre ele. Assim, fiz o que vocês podem imaginar ter sido um enorme sacrifício e o li novamente.

E por falar no Alê, quem leu a última edição da coluna Lista de Releituras - cujo tema foi o livro considerado a obra-prima de Agatha Christie, “O Assassinato de Roger Ackroyd” – viu meu caro colega comentar sobre o meu acidental spoiler que revelou a ele o assassino. Mas a questão é que Agatha conduz a trama de forma tão brilhante que nem isso foi capaz de estragar a experiência dele com o livro. E eis que o mesmo aconteceu comigo a respeito de “O Caso dos Dez Negrinhos”. Lembro, perfeitamente, de estar em uma aula de educação física quando uma das minhas colegas diz a seguinte frase: “Eu não quero ler o livro. Já sei que o assassino é......”. Imagine a reação desta que vos relata a experiência e que, naquele momento, estava a dias de começar a leitura e já tinha até o livro em casa. Graças a minha colega, li o livro todo tendo em mente a identidade do assassino e avaliei toda a história sob este ponto de vista nada inocente e, levando em consideração que este se tornou meu livro favorito da Agatha, nem é preciso dizer que, mesmo conhecendo de antemão o que deveria ser a grande surpresa (o ponto alto) do livro, minha experiência não foi prejudicada.

Atualmente, “O Caso dos Dez Negrinhos” está sendo publicado com o título de “E Não Sobrou Nenhum”. Isso não ocorre apenas no Brasil e a alteração se deve por a referência a “negrinhos” ser considerada de caráter racista. Além de achar isso uma bobagem sem tamanho e de não gostar do título atual (embora, devo acrescentar, “And then there were none” seja o título que o livro sempre recebeu nos Estados Unidos, embora no Reino Unido o original seja “Ten Little Niggers”), me nego a chamá-lo pelo novo título por acreditar que descaracteriza a obra (nesta nova versão os Negrinhos da mesa de centro e da cantiga infantil viram Soldadinhos, a Ilha do Negro onda a trama se passa vira Ilha do Soldado, e assim por diante) e arrisca spoilers. Outra razão que me leva a achar a ação infundada é o fato de que a atual capa é obrigada a conter a frase “anteriormente publicado como ‘O Caso dos Dez Negrinhos’ ” por esse se tratar de um dos livros mais famosos de Agatha Christie, de forma que o título continua ali de qualquer forma, apenas em letras menores.

Mesmo que a capa que ilustra este post seja pouco bonita, fiz questão de escolhe-la pois esta foi a edição que li. Independente de capa, ou título, é um livro obrigatório para quem gosta do gênero policial ou mesmo para os que se sentem ligeiramente atraídos pelo gênero. Sem dúvida as artimanhas que a Dama do Crime usa nesta trama são capazes de conquistar mesmo os mais incrédulos e converte-los a amantes das histórias policiais.


10 comentários:

Laura Zardo disse...

Eu não conhecia este livro ou não estou lembrando agora. Mas confesso que não gosto da autora, sim, sei que ela é considerada talentosíssima, mas não consigo gostar do seu estilo de escrita. :(

Lise Orsi disse...

Não é exatamente um dos meus favoritos da autora que também amo muito. Mas vim comentar sobre achar uma besteira também essa coisa de mudança pela questão racista.
Não quero dizer com isso que não exista um racismo em muitas coisas culturais e do cotidiano (como a nega maluca=bolo de chocolate). Dizer que a nêga é maluca, é sim com uma intenção pejorativa. Mas, convenhamos, você pensa nisso ao comer o bolo? Eu não! Maria mole, pé de moleque, teta de nega e a baba da moça... que dizer da língua de sogra e etc.

Acho sim que devemos trabalhar na população reflexões sobre, mas algumas coisas são exageradas e estúpidas. Os "afrodescendentes" continuam sendo negros para mim (sem ser nada de ruim nisso, aliás acho negro uma palavra muito mais bonita), os caucasianos nem existem na minha cabeça.

Peço desculpas se ofendo alguém ou falei besteira, mas é minha opinião.

liliescreve.blogspot.com

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Também acho uma besteira esse negócio de mudarem títulos e partes dos livros, não é isso que vai acabar com o preconceito. Mas enfim, gostei de saber sobre o livro. Está na hora de eu começar a colecionar os livros da Agatha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Paula Souza disse...

Que besteira essa mudança!
Negrinhos racista, sério? Acho esse povo tão exagerado!
Enfim, não conhecia o livro e vou ter que admitir que nunca li nada da Agatha.
Não é bem meu gênero preferido, mas eu ando enjoada dos meus gêneros queridinhos e estou pensando seriamente em mudar um pouco!
Quem sabe não começo por esse? Gosto muito das resenhas daqui, vocês tem um bom gosto para o gênero... sendo um dos preferidos, acho uma boa dica!

Adorei a nova coluna :D

Beijinhos,
http://www.interacaoliteraria.com/

Julia G disse...

Eu já li vários livros da autora, mas esse eu deixei passar. Agora lendo estes comentários, fiquei super curiosa. Tem um filme que vi que tinha uma premissa assim, mas era um terror, então nada a ver. haha

Beijos

Desbravadores de Livros disse...

Mari, sou super apaixonada por Agatha. Adorei esse livro.
E amei essa ideia de coluna, muito bem bolada.
São tantos livros que merecem uma releitura que fica até difícil, né? rs

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

Poison Girl disse...

Eu tenho uma amiga que é fascinada pela Agatha, mas eu não vejo graça em seus livros, eu sei que muitos vão me julgar, porém o gênero que ela escreve não me deixa nada atraída, gosto de livros estupidamente românticos e às vezes clichês, sou uma pessoa tão apaixonada por romances que aceito até mesmo clichês ahsauhsauhsuas
Parabéns pela resenha, mas eu nunca leria este livro.

Blog: http://worldbehindmywall.fanzoom.net/
Twitter: https://twitter.com/Blog_WBMW

Paty Souza disse...

Olá.
Admiro quem consegue curtir e se envolver na narrativa de Agatha Christie, o que não é o meu caso.
Mas também tenho meu livrinhos aqui que tenho vontade de reler, só falta tempo.

Até mais.
Leituras da Paty

Nardonio disse...

Já tinha ouvido falar que esse é considerado o melhor livro da autora, mas nunca tive oportunidade de ler. Acho que não apenas esse, mas todos os livros da Agatha merecem estar na lista de releituras de qualquer amante do gênero. Enfim, também não concordo com essa "palhaçada" do novo nome.
E outra coisa, eu tinha matado essa minha amiga depois do mega spoiler que ela deu. kkkkkkk

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mari, tudo bem??
Adorei saber sobre esta sua nova coluna!! Não tenho o costume de realizar releituras, pois sempre tenho livros não lidos na estante...Mas achei super bacana sua proposta!!Ainda não conhecia nenhum dos livros citados, mas achei super bacana saber mais sobre eles!!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger