segunda-feira, 30 de abril de 2018

RESENHA: O Último Adeus

Após o suicídio do irmão, Lex não sabe como continuar vivendo sua vida. É Dave, seu terapeuta, quem sugere que ela escreva um diário para servir como válvula de escape. Aos poucos, ela vai enfrentando a dor e o vazio deixados pela perda, bem como restaurando suas relações com os pais e amigos. 

O primeiro aspecto que preciso destacar é que a estória do livro tem início após o suicídio do Ty. Ou seja, a trama gira em torno das consequências deste ato na vida de Lex, mostrando seu processo de cura

A narrativa é em primeira pessoa, de modo que o leitor está em contato direto com Lex. Os capítulos são alternados entre os eventos que ocorrem após a morte de Ty com o diário de Lex, os quais geralmente são dedicados a lembranças do irmão. Apesar dessa proximidade com a protagonista, devo confessar que demorei a desenvolver uma conexão mais forte com ela.

Como esperado, o livro dialoga com diversos temas importantes. Além do suicídio, a autora discute assuntos como culpa, luto, superação, amizade, saudade, relacionamentos, entre outros. Vale registrar que apesar da temática pesada, Cynthia Hand teve sensibilidade e sutileza para abordá-los. 

O tempo passa. É a regra. Independentemente do que aconteça, por mais que pareça que tudo em sua vida está congelado em um determinado momento, o tempo segue em frente. Depois que meu irmão morreu, o tempo passou devagar, e eu me arrastei para fazer todas as atividades obrigatórias que ainda tinha que realizar: estudar, comer, dormir, escovar os dentes, secar os cabelos, fingir que me importava.” (HAND, 2016, p. 164)

Os arcos paralelos são interessantes, embora alguns tenham me deixado a impressão de estarem ali para preencher espaços em branco. O mesmo pode ser dito sobre alguns personagens coadjuvantes que, a meu ver, poderiam ter sido melhor desenvolvidos e aproveitados. 

O desenvolvimento da estória tem uma progressão natural e linear, não contando com grandes reviravoltas ao longo do caminho, o que tornou a obra mais verossímil. Além disso, Hand fez um bom trabalho ao costurar a trama, sem deixar pontas soltas. O desfecho é satisfatório, deixando claro a evolução de Lex ao longo da estória. 

O Último Adeus é uma leitura interessante e, sobretudo, reflexiva. Porém, preciso confessar que não achei a estória tão emocionante quanto esperava. Assim, creio que entre os livros que exploram essa temática, há outros que se destacaram mais.

Título: O Último Adeus
Autora: Cynthia Hand
N.º de páginas: 344
Editora: DarkSide Books

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

7 comentários:

Karina Rocha disse...

Esse livro é daqueles que arrancam lágrimas!! Chorei no final, é uma história que comove, ver o sofrimento de Lex faz com que pensemos mais sobre o continuar a viver e o que podemos melhorar em nossas vidas!!

Ludyanne Carvalho disse...

Ah, esse livro é muito tocante. Também esperava mais emoção, mas isso nos mudou meu sentimento pela história.
É diferente ver o suicídio do ponto de vista de quem ficou, e Cinthia nos mostrou isso de uma forma delicada, sensível.

Beijos

Alice Duarte disse...

Oiii Alê

Interessante isso de que o livro não é o mais emocionante de todos, vi várias resenhas super aprovando a história em todos os sentidos, adorei encontrar a tua opinião mais "pé no chãp" sobre a história, ajuda a gente a não criar tantas expectativas (e terminar frustrada na maioria das vezes).
Te confesso que a temática, até o momento, não me chama muito a atenção, ando fugindo de livros tristes, mas quem sabe um dia.

Beijo

www.derepentenoultimolivro.com

Gabriela CZ disse...

Estava curiosa por esse livro, Alê. Uma pena que algumas coisas não foram bem desenvolvidas. Mas ainda quero ler. Ótima resenha.

Beijos!

Ana I. J. Mercury disse...

Oi Alê,
li O Último Adeus ano passado e gostei mais ou menos, rs
Eu esperava mais, parecia ser mais sombrio pela sinopse.
Foi bom entender os sentimentos da Lex, e o quanto a morte do irmão lhe feriu. É um bom livro sim, mas na minha opinião, faltou mais emoção e um final mais feliz.
bjss

Catarina Pinheiro disse...

Oi Alê
O livro me pareceu ser daqueles com várias mensagens a passar para o leitor. Acompanhar o processo de cura do personagem e o tema em si do suicídio me parece bem pesado. Uma pena que parece que o livro não é tão emocionante quanto o esperado porém ainda me parece uma boa leitura.
Bjs

Diane disse...

Olá...
Adorei sua resenha!
Desde que a editora lançou essa obra eu estou bastante ansiosa para realizar essa leitura. A premissa é muito interessante e é exatamente o tipo de leitura que curto. Apesar das ressalvas que você apresentou ainda é uma obra que pretendo ler <3
Bjo

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger